Voltar ao site

CRIANDO O AMBIENTE PARA A LIDERANÇA EVOLUTIVA 

Por Thianne Martins

Assim como todo o Universo e a natureza têm movimentos de expansão e retração, a liderança evolutiva transita entre dois olhares: olhar para dentro e olhar para fora…

Quando, na cuidadoria, começamos a estudar o trabalho de Frederic Laloux, “Reinventing Organizations”, percebendo seu sentido e alinhamento ao nosso propósito, fomos identificando como este trabalho trazia uma visão realmente integral, considerando ao mesmo tempo ferramentas e pessoas, desenvolvimento humano aliado ao desenvolvimento de um ambiente propício à gestão no nível de consciência “teal”, para o qual nossa sociedade está fazendo a transição e, consequentemente, as organizações.

Nós já vínhamos desenvolvendo alguns trabalhos utilizando o Eneagrama, um sistema de mapeamento da consciência, muito profundo e ao mesmo tempo, prático, extremamente adequado para o desenvolvimento da liderança e da comunicação.

Ao longo dos nossos estudos, algo saltou aos nossos olhos: tanto o Eneagrama quanto o Reinventando as Organizações têm como pilares, 3 grandes pontos que, juntos, formam triângulos.

E, com uma análise mais profunda, começamos a “brincar” com sobreposições… Sobrepondo os triângulos, percebemos que eles tratam dos mesmos assuntos, sob diferentes perspectivas.

A Lei do 3, que representa, no triângulo do Eneagrama, a formação da personalidade e o caminho de retorno à essência. E os pilares da Liderança Evolutiva, de Frederic Laloux. Aspectos diferentes de uma mesma lógica.

O triângulo do Eneagrama trata, basicamente da consciência humana, do nosso mundo interno e de uma dinâmica que chamamos de Lei do 3, que refere-se, na sequência “essência-veracidade-coragem” à forma como o ser humano resgata seus valores mais essenciais, revisita suas crenças para fazer escolhas na vida a partir da sua própria verdade (veracidade) e angariando a coragem necessária para a ação corajosa na vida, realimentando o contato com a essência, num círculo virtuoso de saúde psíquica, autorrealização e auto-atualização constantes.

 

Laloux trata do mundo externo (sem deixar de considerar o interno), organizacional e da forma como a gestão e a liderança podem desenvolver um ambiente propíc